Atraso

Résumé : Os lugares subalternos e periféricos são comumente representados como negação dos valores positivos percebidos como qualidades fundamentais e normativas do centro. A Amazônia, que pode ser descrita como “espaço colonial do Brasil”, não é exceção a esta norma, sendo tradicionalmente apresentada “como lugar da negação da nacionalidade, lócus do incivilizado, da barbárie e do atraso em contraposição ao litoral”. Os próprios sistemas dominantes de significação produzem essa negação. Mesmo quando os significados mudam, mudam as representações. Assim, a título de exemplo, a Amazônia é percebida a partir de uma “visão paradisíaca criada pela magia dos mitos da região e sobre a região” e ao mesmo tempo de uma “violência cotidiana gestada pela permanente exploração da natureza e desencadeada pelos preconceitos em relação a ambos – homem e natureza”. Essa “dicotomia limitadora inferno verde/paraíso tropical”, constantemente, define e delimita os termos do discurso, sendo usadas como instrumentos intercambiáveis de dominação. O que não parece mudar, no contexto da “modernidade global”, constantemente definida por significantes como “progresso”, “inovação” ou “rapidez” é exatamente a representação da região enquanto um lugar atrasado, no qual a dinâmica do “progresso” ainda não chegou.
Complete list of metadatas

Cited literature [17 references]  Display  Hide  Download

https://hal-hprints.archives-ouvertes.fr/hprints-02005177
Contributor : Marcello Messina <>
Submitted on : Sunday, February 3, 2019 - 6:32:44 PM
Last modification on : Monday, April 29, 2019 - 2:40:11 PM
Long-term archiving on : Saturday, May 4, 2019 - 12:43:04 PM

File

Atraso - Uwa’kürü Dicioná...
Explicit agreement for this submission

Identifiers

  • HAL Id : hprints-02005177, version 1

Collections

Citation

Marcello Messina. Atraso. Uwa’kürü Dicionário Analítico (vol. 1), pp.96-106, 2016, 978-85-68914-06-9. ⟨hprints-02005177⟩

Share

Metrics

Record views

33

Files downloads

15